Empresa Eternit é condenada a pagar indenização de 1 milhão para ex-funcionário

Por Mauro Menezes & Advogados - Assessoria de Imprensa ∙ 19 de setembro de 2018

Após perder o pulmão pelo contato com amianto, fibra proibida desde 2017 no Brasil proveniente da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), ex-funcionário da Eternit receberá indenização de R$ 1 milhão por danos morais e materiais.

A advogada Érica Coutinho, especialista em Direito do Trabalho e coordenadora da Unidade de São Paulo do escritório Mauro Menezes & Advogados, que atuou na defesa do ex-funcionário, avalia que a sentença é importante por reconhecer a responsabilidade da empresa que, mesmo sabendo dos efeitos nocivos do amianto à saúde, colocou o trabalhador em contato com a fibra.

“A decisão de banimento [pelo STF] tem que vir acompanhada de respostas enérgicas que são dadas pelo Judiciário nessas ações individuais. Não adianta muito a gente falar no banimento do amianto, que é uma coisa que vai exigir muito do poder público, e não ver o dano real que as pessoas sofrem”, esclareceu ao Portal Jota.

A ação reconhece a responsabilidade da empresa mediante ao caso, uma vez que estes optaram pelo uso do material mesmo diante da proibição judicial.

Fonte: Jota