Não existe respaldo legal e nem urgência para implementar a reforma da Previdência via Medida Provisória

Por Mauro Menezes & Advogados - Assessoria de Imprensa ∙ 01 de junho de 2017

O cenário de incertezas políticas e o desespero do Governo Federal em acelerar a aprovação das reformas da Previdência e trabalhista estão levando a equipe econômica de Michel Temer a pensar em novas táticas para implementar as mudanças no sistema previdenciário brasileiro. Uma das ideias é a edição de uma Medida Provisória (MP) com alterações como, por exemplo, o limite mínimo de idade de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres para dar entrada na aposentadoria.

Reforma da Previdência via Medida Provisória pressupõe a existência de urgência

O advogado Leandro Madureira, sócio e subcoordenador de Direito Previdenciário do escritório Roberto Caldas, Mauro Menezes & Advogados, observa que a edição de Medida Provisória pressupõe a existência de urgência e relevância do assunto tratado. “A manobra noticiada como possível de realização pelo governo Temer não encontra respaldo jurídico-constitucional que fosse hábil a garantir o preenchimento desses requisitos. Pode-se afirmar que não há urgência em se dificultar o acesso aos benefícios previdenciários ou em modificar a fórmula de cálculo dos mesmos. Também não há relevância (financeira, atuarial ou social) para que as modificações sejam implementadas via Medida Provisória”, afirma.

Reforma da Previdência deve ser discutida com a população

Leandro Madureira ressalta que é necessário, diante da relevância para o futuro do país, que o debate sobre a reforma da Previdência aconteça “na mais ampla dilação legislativa, garantindo o acesso de vários setores da sociedade e com participação ativa de especialistas no assunto. A obstrução de direitos não implicará na diminuição das contingências sociais que precisam ser tuteladas pelo Estado”.

O especialista defende que, pelos últimos recuos e ações, “o governo parece ceder à pressão dos defensores da Reforma, numa clara demonstração de que a sociedade não está sendo ouvida”.

Reforma da Previdência via Medida Provisória deve ser rechaçada

Na visão do advogado, a MP deve ser rechaçada. “Se o texto da PEC 287 já contém uma série de restrições extremamente prejudiciais, a edição de Medida Provisória para tratar de assunto tão importante como é a Previdência deve ser rechaçada veementemente” .

Iniciar conversa
1
Entre em contato
Olá! Seja bem-vinda(o) ao nosso canal de comunicação por WhatsApp. Envie sua solicitação e em breve lhe responderemos.
Powered by